Notícias


Água de coco dribla a crise e vendas crescem 16 por cento

Postado em 04/01/2018 - 17:43

Desde que foi desenvolvida no mercado brasileiro pelo visionário mineiro Luiz Otávio Pôssas Gonçalves, fundador de marcas como Kaiser e Kero Coco, a água de coco em caixinha segue multiplicando os lucros no campo e em toda a cadeia produtiva. Nas empresas, a bebida já disputa uma fatia de mercado com sucos, isotônicos e refrigerantes, aproveitando-se da busca pela saúde e bem-estar. Segundo o instituto de pesquisas Nielsen, a água de coco está entre os produtos que lideram a lista de setores sobreviventes à crise em 2015, com aumento de 16% nas vendas até novembro.

“Estamos entrando num naturalismo, na busca frequente por produtos cada vez mais saudáveis e naturais”, explicou Francisco Porto, presidente do Sindicato Nacional dos Produtores de Coco no Brasil (Sindicoco). Segundo ele, o consumo da fruta in natura no país cresce entre 10% e 15% ao ano. “Além de ser um produto que ganhou o mercado internacional, a água de coco vem competindo com outras bebidas, inclusive, os refrigerantes, que já vêm perdendo espaço para as bebidas naturais”, destaca. No ano passado, a produção brasileira de refrigerantes recuou 5,9%, de acordo com dados do Sistema de Controle de Produção de Bebidas (Sicobe), da Receita Federal do Brasil.

Apesar do crescimento do coco envasado, Porto defende a criação de cooperativas de crédito para estimular o setor e, ao mesmo tempo, aliviar o preço do fruto que chega às mãos do consumidor. “O coco já é vendido por mais de R$ 6 em muitas praias e capitais do país. Já nas fazendas, cada unidade custa, em média, R$ 1”, afirmou, destacando que os produtores não veem boa parte do lucro, que na maioria das vezes fica com os intermediários e com o vendedor final. “O produtor precisa ser mais bem remunerado e atuar em conjunto aumenta a produtividade, o que gera lucro maior”, conclui.

De olho no potencial de consumo da água de coco e no crescimento das exportações para os Estados Unidos e a Europa, o número de empresas investindo na fruta vem registrando aumento significativo. No grupo JPL Foods, dono da marca João dos Cocos, com sede em Contagem, na Grande BH, a água de coco em latinha já supera a comercialização de outros produtos do grupo e responde por 5% da receita da companhia. A lata foi lançada em 2010 e é vendida em todo o estado. “Vamos aumentar os investimentos este ano diante do crescimento nas vendas e do faturamento”, resume Fátima Normandia Lacerda, representante de vendas da empresa, sem detalhar números.

Fonte: Jornal Estado de Minas – MG


Imagem de Água de coco dribla a crise e vendas crescem 16 por cento

Gostou? compartilhe!